Instagram

28 julho 2011

Os 10 mais ricos*

Nada me move contra a riqueza... ODEIO a pobreza!...
Ranked nacional dos mais ricos
1º Américo Amorim: 2587,2 milhões de euros
2º Alexandre Soares dos Santos: 1917,4 milhões de euros
3º Belmiro de Azevedo: 1297,6 milhões de euros
4º Família Guimarães de Mello: 1006,6 milhões de euros
5º Família Alves Ribeiro: 779,7 milhões de euros
6º Perpétua Bordalo da Silva e Luís Silva: 679,7 milhões de euros
7º Rita Celeste Violas e Sá, Manuel Violas: 650,6 milhões de euros
8º Maria do Carmo Moniz Galvão Espírito Santo: 645,8 milhões de euros
9º Família Cunha José de Mello: 638 milhões de euros
10º António da Silva Rodrigues: 551 milhões de euros


*Publicado no Público
***

27 julho 2011

"empregos para a rapaziada"

O candidato Pedro Passos Coelho prometeu... "no jobs for the boys"!
Mas as condições mudaram fruto das conjecturas externas e pela força do contrato feito com a "troika".
O Primeiro-ministro PPC teve que eliminar as "golden shares" na PT, EDP e GALP. Agora o estado não vai poder nomear administradores para estas empresas: faltam "empregos para a rapaziada".
O número crescente de gabinetes de estudo culminando no aumento do número de administradores da CGD é disso um bom exemplo que só podem ser justificados pela falta de "empregos para a rapaziada".
Temo que as "gorduras" que tanto falam recaiam sempre nos mesmos: no aumento das tarifas, no aumento dos impostos, no corte de salários, no despedimento dos trabalhadores, etc.... ou mais cinicamente nos ordenados da Função Pública.

***

25 julho 2011

PASTELARIA, Mário de Cesariny




Dito por: Cláudia Clemente

Afinal o que importa não é a literatura
nem a crítica de arte nem a câmara escura

Afinal o que importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio

Afinal o que importa não é ser novo e galante
- ele há tantas maneiras de compor uma estante!

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício
e cair verticalmente no vício

Não é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola

Que afinal o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come

Que afinal o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!

Que afinal o que importa é por ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria e, lá fora - ah, lá fora! - rir de tudo

No riso admirável de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra.


mário cesariny
nobilíssima visão
assírio & alvim
1991

24 julho 2011

You know I'm no good


You know I'm no good, talvez o título mais irónico da vida curta desta grande voz da música situada entre o Soul, R&B e o Jazz. Uma vida de excessos catapulta Amy Winehouse (1983-2011) para o lugar mítico dos músicos como: Jane Joplin, Kurt Cobain ou, ainda, Jim Morrison.
Uma curtíssima carreira com dois discos editados: Frank, lançado em 2003 pela Island Records, foi muito bem recebido pela crítica, e o segundo, de 2006, Back to Black, deu-lhe seis indicações para os Grammy Awards,  vencendo cinco.
Estava a preparar um terceiro álbum...

***

23 julho 2011

etocracia

Após alguma reflexão e análise feita ao nosso sistema político e organizacional do estado e dos estados no âmbito da nossa integração na União Europeia assisto ao colapso da política e das políticas, ao fim das ideologias e ao paradoxo da globalização.
Estaremos nós a caminho do fim da Democracia tal qual a conhecemos?
Nos anos 80 sustentei que o fim das ideologias daria lugar à moral da política, do saber fazer, do carácter, ou seja, do ethos (grego) que se caracteriza por um conjunto de hábitos e acções que visam o bem comum de determinada comunidade. A assumpção de uma ética política ao serviço do bem comum confere-lhe legitimidade, assim como reforça a solideriedade entre as regiões, entre os povos, assentes numa cultura que os identifica. Ser solidário é manter e reforçar a união da nossa família, da nossa naturalidade, da nossa nacionalidade e da nossa comunidade que será o imperativo último da nossa existência comum (UE).

***